Confira a seguir os textos de apoio para o plano de aula publicado na edição de maio de 2015 da Profissão Mestre.

TEXTO 1: O mal "estar" do Sr. Gerúndio

Por Dablio Vasconcelos

Depois de vários minutos ao telefone, finalmente sou atendido:

- Digite 1 para isso, 2 para aquilo, 3 para voltar às opções... blá, blá, blá...

Ufa! Consegui!

Mereço o Prêmio Nobel da Paciência!

Uma voz tão robotizada quanto a gravação me atende (era a famosa atendente da companhia):

-Bom dia, senhor! Em alguns instantes eu "vou estar" lhe encaminhando pro setor específico e eles "vão estar" lhe ajudando. O senhor "vai estar" aguardando na linha ou "posso estar" retornando a ligação, senhor?

Do lado de cá, eu respondo friamente (não tão frio quanto a atendente; ninguém é tão frio)!

- Sim! "Vou estar" aguardando na linha!

E, enquanto espero, certamente vou ter muito tempo pra pensar e pensei mesmo:

Até quando esse maldito gerúndio vai estar (agora é sem aspas mesmo) enfiado na nossa língua?

Assaltaram a gramática?

Violentaram a métrica?

É... meteram poesia na bagunça do dia a dia.

Em pleno século 21, onde não há tempo a perder com palavras longas nas suas frases quilométricas, onde garotas e garotos inventam um novo idioma via mensagens instantâneas na internet (você virou “vc", também virou "tb", e assim vai...), as pessoas, num desespero frenético de enfeitar a nossa língua e demonstrar que têm o dom da palavra, enfiam esse maldito "vou estar" em tudo quanto é frase:

- Alô! O senhor ainda "vai estar" aguardando? – a moça com a voz de boneca da Estrela (lembram?) resolveu falar – Ainda "vou estar" tentando aqui, o senhor ainda "vai estar" aguardando ai?

- Sim! "Vou estar" aguardando aqui.

Não vou ser injusto, dessa vez ela demorou apenas 4 minutos e 32 segundos (eu contei), o que não representou nada diante dos 12 minutos anteriores de espera (e de pensamentos):

- Qual é mesmo o seu problema, senhor?

- Meu telefone fixo não funciona! Alguns amigos tentaram me ligar e só dá sinal de ocupado!

- De onde o senhor está ligando, senhor?

- Da casa da minha mãe. Somos vizinhos.

- Por acaso o senhor não deixou o aparelho fora do gancho ou mal encaixado, senhor?

- Claro que não! Que absurdo! Não sou tão idiota assim!

Irritado por ter minha inteligência questionada por uma senhorita que fala "vou estar" pelo menos umas duas vezes a cada frase, desliguei o telefone.

Fui pra casa contrariado e, pra minha surpresa, o maldito telefone estava mesmo fora do gancho, mal encaixado em seu repouso.

Pensei novamente.

É... aquela mocinha pode até não entender nada da língua portuguesa (assim como eu) e muito menos conhece o Sr. Gerúndio, mas de uma coisa ela entende: de telefone. 

tu... tu... tu... tu... tu... tu...

 

TEXTO 2: O gerúndio é só o pretexto

Por Luiz Costa Pereira Jr.

Ele chegou furtivo, espalhou-se feito gripe e virou uma compulsão nacional. Em menos de uma década, o gerundismo cavou pelas bordas seu lugar sob os holofotes do país. É o Paulo Coelho da linguagem cotidiana. Nas filas de banco, em reuniões de empresas, ao telefone, nas conversas formais, em e-mails e até nas salas de aula, há sempre alguém que "vai estar passando" o nosso recado, "vai estar analisando" nosso pedido ou "vai poder estar procurando" a chave do carro. É fenômeno democrático, sem distinção de classe, profissão, sexo ou idade. O gerundismo já foi alvo de tantos e calorosos debates que mesmo a polêmica em torno dele pode estar virando uma espécie de esporte de horas vagas, quase uma comichão a que poucos parecem indiferentes. Embora não haja explicação única para a origem do fenômeno, sua popularidade chama a atenção não só de especialistas da língua, mas de empresários e ouvidos sensíveis a saraivadas repetidas do mesmo vício.

Principalmente porque, por trás da aparente certeza sintática, podemos estar diante de um fenômeno com implicações semânticas e pragmáticas – seu sentido, alargado ao dia a dia, pode dizer algo sobre a própria cultura brasileira, nem sempre lembrada quando se discute o assunto.

O uso repetitivo do gerúndio tem nome próprio: endorreia. Sim, a palavra é parente da diarreia, para alegria dos humoristas. Mas a vítima do gerundismo não é o gerúndio isolado, in natura, é a estrutura "vou estar + gerúndio", uma perífrase (locução com duas ou três palavras).

Em si, a locução "vou estar + gerúndio" é legítima quando comunica a ideia de uma ação que ocorre no momento de outra. A sentença "vou estar dormindo na hora da novela" é adequada ao sistema da língua, assim como quando há verbos que indiquem ação ou processo duradouros e contínuos: "amanhã vai estar chovendo" ou "amanhã vou estar trabalhando o dia todo", por exemplo.

Aquilo que se deu o nome de gerundismo se dá quando nós não queremos comunicar essa ideia de eventos ou ações simultâneas, mas antes falar de uma ação específica, pontual, em que a duração não é a preocupação dominante. A coisa piora mesmo quando a ideia de continuidade nem deveria existir na frase. "Vou falar" narra algo que vai ocorrer a partir de agora. "Vou estar falando" se refere a um futuro em andamento – "estar" dá ideia de permanência no tempo. Nesses casos, o gerúndio é usado em situações mais adequadas ao uso do infinitivo (aquele que não dá ideia de ação em curso, mas de assertiva). É no mínimo forçado falar de uma ação isolada, que se concluiria num ato, como se fosse contínua. Quando respondemos ao telefone "vou estar passando o recado", forçamos a barra para que o recado, que potencialmente tem tudo para ser dado, não tenha mais prazo de validade.

“Há um paradoxo semântico porque se dá a impressão de que a ação prometida é duradoura”, diz o linguista Sírio Possenti, da Universidade de Campinas. Ao adotar o gerúndio numa construção que não o pedia, a pessoa finge indicar uma ação futura com precisão, quando na verdade não o faz. Para a professora Maria Helena de Moura Neves, da Unesp e do Mackenzie, autora da Gramática de usos do Português, o gerundismo faz a informação pontual (em que o foco está na ação) ser transformada numa situação em curso (durativa). O aspecto pontual é aquele em que um fenômeno é flagrado independentemente da passagem de tempo – o verbo se refere só à ação. São pontuais, por exemplo, expressões como "vou fazer" ou o futuro do presente, "farei".

Porque os mecanismos linguísticos são acionados pela intenção, diz Maria Helena, é possível obter um efeito pragmático na locução do gerúndio de atenuar o compromisso com a palavra dada. “Quando digo ‘vou passar seu recado’, a referência é a ação em si. Não me atenho à sua duração. Com isso, amarro um compromisso. A ação é indicada ali, pura e simplesmente.

Garanto que ela se cumprirá. Ao usar o gerúndio, deixo de me referir puramente à ação e incorpora-se o aspecto verbal durativo. A ênfase passa a ser outra. Você comunica que até encontrará tempo para fazer a ação, mas seu foco não está mais nela”.

O descompromisso que essa atitude implica pode ser atribuído a uma duração que é falsa. Permite, por tabela, que qualquer um drible seu interlocutor, sem parecer ofensivo nem indelicado. Na opinião de Francisco Platão Savioli, professor aposentado da Universidade de São Paulo e agora coordenador de Português e Redação do Sistema Anglo de Ensino, o gerundismo se propagou como traço de quem se ocupa em encontrar formas de polidez para relacionar-se. “Como não tem versatilidade de uso da língua, essa pessoa aposta na fórmula ritualizada, na presunção de que aquilo é uma gentileza chique. No fundo, é um desperdício de gerúndio”.

O apelo a esse expediente, afirma Platão Savioli, é similar àquilo que se convencionou chamar de hipercorreção – a escolha de uma forma de expressão incorreta no lugar da correta por considerar que a incorreção seja mais elegante e menos vulgar.

O fato é que se trata de uma expressão que não circula na língua culta escrita e, mesmo na língua popular, ela não circula com espontaneidade. Parece ser mais uma forma artificial e planejada.

Consultora de língua portuguesa do jornal Folha de S. Paulo e autora de Redação linha a linha, Thaís Nicoleti de Camargo alerta para o fato de que as frases com gerundismo proliferaram em ambientes formais antes de tomar as ruas.

“Ninguém diz ‘vamos estar tomando uma cervejinha na esquina’. O emprego abusivo do gerúndio é próprio das situações formais. A pessoa, por vezes, evita dizer de forma direta que vai resolver uma questão no momento e, ao mesmo tempo, parece não querer estabelecer uma data para fazê-lo. Talvez ela se veja apenas como peça de uma engrenagem burocrática e, portanto, desprovida do poder de tomar decisões. Precisa, na prática, de uma espécie de fórmula que lhe permita dizer algo educado, mas que não implique real compromisso. E o gerundismo parece atender a essa demanda”, afirma.

A propagação do uso vicioso do gerúndio seria, assim, típica dos grandes centros urbanos, em que as relações humanas são marcadas por escalas rígidas de hierarquia, ferramentas mais impessoais de comunicação (telefones e e-mails, por exemplo) e intermediários entre quem deseja a comunicação e quem não a deseja na mesma intensidade. “Minha suspeita é a de que se trate de um fenômeno urbano, ou seja, quanto mais rural o meio, menos sujeito à sua influência”, acredita. Se é difícil saber se os primeiros a usarem a expressão tiveram ou não a intenção de evitar compromisso ou de parecerem formais, o gerundismo parece ter ficado popular pela facilidade com que confere imprecisão a informações que exigiriam solidez. Nas palavras do gramático Evanildo Bechara, o que está em jogo pode ser a própria concepção de certeza num diálogo. “O presente, ‘escrevo’, nos dá certeza. ‘Escreverei’, o futuro, pode ocorrer ou não. Já na construção ‘vou estar escrevendo’ acrescenta-se a ideia de promessa, de não compromisso. O gerundismo marca a oposição entre promessa e esperança”, avalia o gramático, membro da Academia Brasileira de Letras.

A associação entre formalidade ritual e falta de compromisso, usada à exaustão, virou bomba-relógio comunicativa que preocupa executivos e diretores de recursos humanos. Para o consultor empresarial Luis Adonis Valente Correia, autor de Quem roeu a roupa do rei?, o gerundismo chega mesmo a refletir as relações desiguais entre chefes e seus funcionários. ”Vício não prolifera sozinho, mas motivado pelas situações de trabalho e do cotidiano. Ao informar que ‘vamos estar fazendo’, nós não dizemos quando vamos concluir o processo, mas que ele está em andamento. Ao ouvir um ‘vamos estar resolvendo o seu problema’, não sabemos quem vai resolver, nem se vai fazê-lo. Na prática, comunica- se que está trabalhando, mas não trabalha”.

Na lógica empresarial de Adonis, aquele que nos atende por meio de gerundismo parece sentir que "atender" não é o que ele "faz", mas o que "está fazendo". Por não vestir inteiramente a camisa numa profissão que considera instável, apela para o gerúndio para não se comprometer com ações futuras. No fundo, o problema gramatical camuflaria um mau serviço.

O psicólogo Luiz Edmundo Prestes Rosa é o diretor corporativo People da Accor Brasil, empresa de origem francesa com mais de 30 mil funcionários, no Brasil, que se relacionam com o público, fornecedor e usuário. O gerundismo, para ele, é sina da dificuldade das pessoas de ir a fundo nas questões relevantes. “Combater o gerundismo por purismo é ir contra a riqueza da língua. Sua força e franqueza não estão em si mesmas, mas na fragilidade do diálogo. A superficialidade não está em quem usa, mas em quem aceita respostas imprecisas. “Acho que o outro”, “Acho que vai fazer o que foi pedido”. “Como não conversamos profundamente, fica tudo por isso mesmo”, diz Prestes Rosa, autor de um "antídoto" por meio de perguntas importantes à compreensão mútua. A estrutura viciada do gerúndio é tributada ao Brasil. Os portugueses não têm dor de cabeça com ela. Preferem ao gerúndio o infinitivo com a preposição "a" ("Estou a fazer o tratamento"). Para especialistas e empresários, o problema pode mesmo revelar-se um sintoma de práticas profundas da atualidade.

Ele condiria, por exemplo, com uma cultura urbana formada por pessoas sempre em muito movimento (Prestes Rosa e Adonis) e estimularia, no limite, uma falha ética nas relações humanas (Sírio Possenti). Para o linguista da Unicamp, a falta de compromissos contida na locução viciosa seria a expressão de um vazio ético. “Se não for mudada a relação de compromisso entre pessoas e entre empresas e clientes, é possível que o gerundismo se torne mais regular do que já é. As pessoas garantem que ‘vão estar providenciando’, mas não providenciam, e isso é terreno fértil para a expressão fortalecer-se”, diz Sírio Possenti.

O professor Platão Savioli desconfia das soluções excessivamente pontuais. “A submissão a uma forma fixa não se corrige setorialmente. Ela é sintoma da falta de variedade de recursos de expressão. Quem tem diversidade não recorre à mesma expressão o tempo inteiro”. Para Thaís Nicoleti, o mal-estar que o vício provoca pode estar associado à percepção desse esvaziamento da comunicação nas relações mais burocratizadas. “Talvez o que irrite seja o vazio em que caímos quando ouvimos essas construções. São fórmulas que não nos dão garantia de nada”, sugere.

O gerundismo pode não passar de moda e, tal como veio, desmanchar-se no ar, como outros vícios de ocasião. O movimento recente contrário à sua aceitação pode indicar que o fenômeno está longe de generalizar-se. Mas, se ele corresponder mesmo a uma necessidade nem sempre consciente da comunidade, erradicá-lo vai demorar muito mais do que se imagina. Ainda é cedo para garantir, com firmeza, o futuro do combate ao gerúndio vicioso. Se tal esforço "vai estar surtindo efeito", só o tempo "vai poder estar dizendo".

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!