Quando o assunto das aulas de Matemática passa a ser angulação, os alunos devem memorizar os diversos tipos de ângulos: agudos, obtusos, rasos, nulos, côncavos, retos, completos, consecutivos, adjacentes, opostos, complementares, suplementares, replementares e explementares. São tantos termos e tantas diferenças que qualquer ajuda é sempre bem-vinda pelos alunos. A professora Márcia Aparecida Mendes, da Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (Eseba/UFU-MG), criou um plano de aulas voltado para auxiliar os estudantes a compreenderem o que são os ângulos reto, raso, complementares e suplementares.

Elaborado para ser realizado durante duas aulas, o projeto prevê que o professor construa previamente pequenos kits com ângulos criados em cartolina ou isopor (confira as sugestões de kits da professora Márcia no box). Esses kits deverão ser distribuídos para os alunos em cada aula, de modo que eles, divididos em pares ou trios, possam formar ângulos retos (aula 1) ou ângulos rasos (aula 2).

Aula 1

A primeira aula será dedicada aos ângulos retos. Distribua aos estudantes fichas de suporte com um ângulo reto já desenhado, de modo que utilizem os kits previamente confeccionados para preencher o ângulo reto da ficha como se fosse um quebra-cabeça. “Os ângulos deverão ser recortados de forma que somente o professor saiba suas medidas. Sugiro colocar cores iguais para medidas iguais. As cores podem ser usadas para indicar as medidas dos ângulos para o professor, já que não convém colocar essas medidas nos ângulos, para melhor desenvolvimento da atividade”, aconselha Márcia.

Conforme os alunos forem montando os ângulos, anote no quadro o que eles disserem. Depois, explique para os alunos o conceito de ângulos complementares – aqueles que, somados, resultam em um ângulo reto (90°). “Solicite a eles que deem outros exemplos que ainda não constam da lista e, por fim, motive-os a construir, no caderno, o conceito de ângulos complementares”, indica a professora mineira.

Aula 2

A aula seguinte seguirá os mesmos moldes da anterior, mas com um diferencial na ficha de suporte entregue para o aluno: agora estará retratado um ângulo raso. Da mesma forma que a primeira etapa, os ângulos deverão estar com cores diferentes para facilitar a análise posterior do professor. Ao fim da aula, explique o que são os ângulos suplementares (aqueles que, somados, resultam em um ângulo raso, de 180º), incentive os alunos a darem outros exemplos e os ajude a definir esse conceito no caderno.

Avaliação e atividade complementar

Para complementar o que foi estudado, Márcia sugere uma versão diferenciada do jogo Dorminhoco: o professor confeccionará em cartolina um baralho de 19 cartas com vários ângulos diferentes. Depois, com os alunos divididos em grupos de dois, três ou seis integrantes, distribua as cartas para o grupo, de modo que um aluno fique com uma carta a mais. Cada jogador, um de cada vez, retira uma carta do colega ao lado, iniciando com aquele que estava ao lado de quem tinha uma carta a mais. Vence quem formar mais ângulos retos ou rasos e baixar todas as cartas da mão. Quem ficar por último deverá pagar uma prenda – algum exercício relacionado ao conteúdo, conforme sugestão da educadora Márcia.

Por fim, para avaliar os alunos, preste atenção na participação de cada estudante ao longo das atividades e veja se todos entenderam os conteúdos estudados. 

 

Matéria publicada na edição de agosto de 2014.

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!