Projeto semestral baseado em atividades lúdicas coletivas contribui para formar novos leitores e aprimorar a compreensão da língua inglesa

Nelson Mandela disse durante um discurso, em 2005, que “hoje uma das tristes realidades é que pouquíssimas pessoas, em especial jovens, leem livros. A menos que encontremos formas imaginativas de resolver esse problema, as futuras gerações arriscam-se a perder sua história”. O contraponto disso tem sido atestado pelo professor de Inglês Vitor Justo, da Escola Atuação, em Curitiba (PR), que desenvolveu um plano de aula focado em estimular a leitura e aprimorar a compreensão do idioma por meio de exercícios lúdicos em grupo. “Acreditamos que a habilidade da leitura em língua inglesa abre muitos caminhos para diversos conhecimentos importantíssimos nas vivências futuras”, explica.

A cada semestre, um livro é trabalhado com rodas de leitura, debates em sala de aula e atividades complementares – que vão desde jogos até a encenação de uma peça teatral ao final do ciclo. “Com base nesses recursos, conduzindo a leitura dentro de um limite de vocabulário e gramática apropriados para a idade e utilizando uma história já conhecida por eles na língua materna, percebemos que os alunos, por mais que estranhem de início, se aprofundam no entendimento do conteúdo do livro e inferem informações muito ricas”, ressalta o professor.

Como funciona o projeto

O trabalho, do ponto de vista paradidático, começa com o professor fazendo a leitura em voz alta e pedindo para os alunos lerem parágrafos da obra. “É importante, ainda, requisitar que um aluno faça a mediação da leitura para incentivar a colaboração mútua e observar quem tem mais dificuldades de interpretação. Durante a atividade, recomenda-se ter o dicionário em mãos para esclarecer possíveis dúvidas”, orienta Justo. Já na primeira aula do semestre é preciso explicar o trabalho que será feito ao longo dos próximos meses, o qual terminará com a encenação de uma peça teatral baseada no livro. Até lá o professor deve dedicar períodos para leitura, apreciação e debates em todas as aulas, transmitir trechos do audiolivro que acompanha as obras publicadas pela Editora Oxford, com o objetivo de reforçar a compreensão das habilidades de listening (ouvir e entender o idioma), além de repassar os exercícios sugeridos ao final de cada livro.

Segundo Justo, a ideia para desenvolver esse plano de aula veio de vivências em escolas de idiomas que fazem um trabalho similar e de um intercâmbio em Londres (Inglaterra), organizado pela escola, que premiou os melhores alunos de língua inglesa com a viagem. “Muitas das atividades propostas foram vistas lá: jogos com palavras, competições com perguntas e respostas baseadas no conteúdo do livro, uso de filmes para contextualização e comparação das adaptações realizadas, performances artísticas com orientação profissional de outros professores da escola, entre outras”, resume Justo.

A respeito da peça que encerra o ciclo do plano de aula, o professor explica que a ideia é que ela tenha diálogos simples, mas tudo o que uma apresentação teatral exige – de figurino à sonoplastia. O projeto pode ser conduzido com a turma toda, com cada aluno exercendo uma função, ou em até três equipes. Recomenda-se que coordenação, direção, professores e turmas de alunos mais novos sejam convidados para prestigiar o projeto.

Resultados

Com a experiência acumulada por já ter repetido esse plano de aula diversas vezes, o professor Vitor Justo conta que os alunos aguardam ansiosamente a escolha do próximo livro a ser trabalhado e se tornam incentivadores das séries anteriores que ainda não participaram dessa etapa mais avançada do projeto. “Além disso, ficam mais atentos aos detalhes, ao vocabulário e à concordância para interpretação e produção de textos em avaliações e mais intensos nas produções escritas”, comemora.

Ao final do trabalho, o feedback é extremamente positivo, de acordo com o professor. “Os alunos e as famílias acabam ‘comprando’ a ideia e até começam a buscar outros livros por conta própria para continuar a leitura, pois trabalhamos apenas uma obra por semestre. A forma avaliativa fica segura e gostosa, pois eles utilizam toda sua criatividade e ousadia, e o trabalho do professor se torna prazeroso, além de eficaz e interessante, prendendo a atenção dos alunos”, finaliza. E então, professor, pronto para colocar essa ideia em prática?  

Livros* sugeridos para a atividade

6º ano: Robin Hood

7º ano: Aladdin and the Enchanted Lamp

8º ano: The Jungle Book e Romeo and Juliet

9º ano: The Secret Garden e Martin Luther King

*Todos os livros foram editados pela Editora Oxford (série Bookworms).

Reportagem publicada na edição de novembro de 2015

Imagem: Designed by Freepik

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!