Por que nem toda reação química acontece no mesmo tempo? Esse questionamento é a base do trabalho do professor de Química Marco Antonio Amaral, da Diretoria de Políticas e Programas Educacionais da Secretaria Estadual de Educação do Paraná. O plano de aulas é previsto para durar pelo menos três horas-aula e é voltado para alunos do ensino médio. Para organizar bem a linha de raciocínio dos estudantes, Amaral divide as atividades em cinco momentos.

1º momento: introdução ao tema

Para iniciar o estudo sobre a cinética química, o educador usa o questionamento do começo da matéria para fundamentar o conceito. “Explique que as reações químicas ocorrem em velocidades diferentes. Por exemplo: o processo de digestão dos alimentos e a queima de uma vela, que levam horas, e uma explosão e a queima de um palito de fósforo, que levam alguns segundos etc., devido a fatores como temperatura, superfície de contato, pressão, concentração, presença de luz, catalisador e inibidores”, orienta o autor do projeto. É preciso esclarecer aos alunos que, em elementos com baixa concentração de moléculas, há poucas colisões (reações), ao passo que onde há concentração elevada delas as colisões são mais numerosas. Para concluir, peça aos alunos que respondam ao questionário sobre cinética química que se encontra no link cienciaemcasa.cienciaviva.pt/questionarium.html.

2º momento: criação de um blog

A segunda etapa do plano de aula é para os alunos mostrarem que entenderam bem o conceito da cinética química. Divididos em duplas, eles devem pesquisar mais sobre o tema – principalmente a vida e a obra de Cato Maximilian Guldberg e Peter Waage (que teorizaram a cinética química) – e criar um blog com os conteúdos pesquisados. “Devem ser coletados os seguintes dados: data de nascimento e morte, nacionalidade, formação acadêmica, área de pesquisas, teorias etc.”, observa Amaral, que sugere que os alunos utilizem a plataforma Blogspot (www.blogger.com) para o desenvolvimento da atividade.

3º momento: webquest

Em seguida, o professor Marco Antônio Amaral sugere que o professor crie um webquest – roteiro com atividades multimídia para os alunos responderem. A plataforma está disponível gratuitamente no endereço www.webquestbrasil.org. “Os alunos devem acessar a webquest, pesquisar em livros e/ou em sites e desenvolver as atividades. Inclua no roteiro alguns exemplos em que a cinética química possa ser reconhecida no cotidiano”, explica o professor.

4º momento: atividades no caderno

Depois da resolução dos exercícios no computador, volte ao caderno e peça aos alunos para copiarem e responderem à seguinte questão (resposta certa: a):

Em uma reação, o complexo ativado*

a) possui mais energia que os reagentes ou os produtos.

b) age como catalisador.

c) sempre forma produtos.

d) é composto estável.

e) possui menos energia que os reagentes ou os produtos.

*Questão elaborada pela Faculdade Osec

Outras perguntas podem ser usadas para complementar.

5º momento: mapa conceitual

Para concluir o plano de aulas, organize a turma em trios e leve-os para o laboratório de informática. Lá, peça a eles que recapitulem os conteúdos estudados nas atividades anteriores deste plano. “Essa ação deve evidenciar a compreensão dos conteúdos trabalhados. Se houver alunos que não se apropriaram de algum conteúdo, proponha que retomem os recursos utilizados”. Após criar os mapas, cada equipe deve se organizar na sala de aula, fazer a projeção e explicar o mapa que criaram. Dessa maneira, podem analisar as várias possibilidades de construção deles. Para criar o mapa conceitual, os alunos podem utilizar o programa Cmap Tools, que está disponível no endereço penta2.ufrgs.br/edutools/mapasconceituais/. Para saber mais sobre mapas conceituais, acesse o link cmaptools.softonic.com.br/.

 

Matéria publicada na edição de fevereiro de 2015.

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!