O cronista gaúcho Luis Fernando Verissimo é famoso por seus textos irreverentes e sobre temáticas populares entre os jovens, como futebol, família, escola e relacionamentos. Logo, o autor é ideal para ensinar o gênero textual da crônica para os estudantes do ensino médio – foco da professora Eliane Cândida Pereira, de São Paulo (SP), neste plano de aulas.

Primeira etapa

Previsto para durar cinco aulas, o projeto começa com um bate-papo entre professor e alunos sobre o que os estudantes já conhecem do gênero crônica. “É interessante levantar o que os alunos já sabem sobre crônicas para provocar desestabilização de hipóteses e/ou ampliação dos conhecimentos”, explica Eliane. Depois da discussão, a professora sugere que seja exibido para os alunos um vídeo sobre a biografia do escritor (disponível na seção Extras do site da Profissão Mestre: www.profissaomestre.com.br/index.php/especiais/extras). Em seguida, a indicação de Eliane é a de que o professor indague os alunos sobre o que eles já conheciam do autor, tanto em relação as suas obras como aos fatos de sua vida.

Segunda etapa

A próxima etapa do plano de aulas envolve a leitura da crônica “O lixo”, publicada originalmente no livro O analista de Bagé (Editora L&PM), de autoria de Verissimo. O texto – que também está disponível na seção Extras do site da Profissão Mestre – conta a história de um casal de vizinhos que acaba se conhecendo por meio de seus lixos. “Discuta com a turma o conteúdo do texto, a linguagem utilizada e a estrutura escolhida pelo autor”, sugere a professora paulista. Na sequência, leve os alunos para o laboratório de informática e peça a eles que pesquisem mais crônicas do autor. A indicação da professora Eliane é que seja utilizado o site Portal literal (www.literal.com.br), que possui um acervo de crônicas do escritor separado por data e por tema. Também é possível conferir outros materiais relacionados ao cronista no portal. “Aponte quais as temáticas abordadas nos textos e o que caracteriza a produção textual desse autor, levando-os a refletir sobre esse gênero discursivo”, sugere a educadora. Peça também que os alunos pesquisem em dicionários, em enciclopédias, em livros de teoria literária e na internet sobre o histórico das crônicas no Brasil. Promova ainda a socialização das informações pesquisadas e da reflexão sobre o gênero discursivo.

Terceira etapa

Em seguida, com base nos resultados da pesquisa anterior, divida os alunos em grupos e defina temas para que cada grupo pesquise crônicas de diversos autores (exemplo: futebol, amor, escola, família etc.). “Cada grupo assume um tema e tem a tarefa de pesquisar e compartilhar crônicas sobre ele na aula seguinte”, explica Eliane, que destaca também: “alerte-os de que na internet encontram-se muitos textos que têm autoria duvidosa, mas que são atribuídos a autores famosos, devendo-se analisar a procedência da informação e a autoria do site”.

Conclusão

Para concluir o plano de aulas, a educadora paulista sugere a realização de um sarau com as crônicas estudadas. Quanto à avaliação, Eliane orienta que os professores prestem atenção à participação dos alunos ao longo das atividades. “Observe quais os aspectos analisados pelos alunos ao discutirem as crônicas de Verissimo, bem como o envolvimento e o interesse dos grupos no sarau”, explica a autora do projeto.

 

+ Na Web

Acesse a seção Extras do site da Profissão Mestre para conferir o vídeo e a crônica “O lixo”: http://www.profissaomestre.com.br/index.php/especiais/extras/846-cronica-o-lixo

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!