A professora Isabel Castanha Gil, que leciona Geografia na Escola Técnica Estadual Professor Eudécio Luiz Vicente, de Adamantina (SP), usou a seca que afetou a Região Sudeste no fim de 2014 para explicar aos seus alunos dos ensinos fundamental II e médio o conceito de rios voadores, imensas massas de vapor d’água levadas por correntes de ar que viajam pelo céu e respondem por grande parte da chuva que acontece em várias partes do mundo.

O plano de aula da professora Isabel é previsto para durar seis aulas e é dividido em duas grandes atividades: uma para fundamentar o conceito e ensinar suas bases para os alunos e outra para conhecimento e identificação dos segmentos envolvidos e busca de uma possível solução. Confira a seguir.

Atividade 1

Para começar os estudos, a educadora sugere que, na primeira aula, o professor apresente slides explicando o conceito de rios voadores ou, caso prefira, peça aos alunos para acessarem a explicação sobre o tema na internet, como a do site Mapaa.org (disponível em: www.mapaa.org.br/wp/a-seca-no-brasil-piora-sem-rios-voadores/). Em seguida, divida a turma em dois grupos e dê dois textos impressos – um para cada grupo (acesse texto 1: riosvoadores.com.br/o-projeto/fenomeno-dos-rios-voadores/ e texto 2: www.brasilescola.com/brasil/rios-voadores-amazonia.htm). “Os alunos deverão estar com o atlas geográfico em mãos para visualizar a localização e a dinâmica das massas de ar apontadas nas matérias recomendadas”, indica Isabel.

Depois da leitura dos textos, cada grupo deverá indicar dois colegas para apresentar oralmente a síntese das matérias lidas. O objetivo é ampliar o conhecimento do fenômeno em estudo. O momento da apresentação das sínteses acontecerá com a turma organizada em um único círculo. “O professor deverá responder às dúvidas apresentadas e incentivar os alunos para que expressem suas opiniões sobre o fenômeno em estudo”, explica a professora paulista.

Após essa etapa, o professor deverá levar os alunos ao laboratório de informática ou providenciar estrutura para projetar os vídeos www.multimediadeluxe.com/deluxe_news/noticia.asp?idConteudo=1123 e globotv.globo.com/rede-globo/fantastico/v/veja-o-que-as-queimadas-na-amazonia-tem-a-ver-com-a-seca-em-sao-paulo/3599395/. Em seguida, os alunos deverão responder às seguintes perguntas, as quais servirão de base para a segunda atividade:

1. Descreva, sucintamente, o fenômeno tratado nos vídeos.

2. Identifique as características e as massas de ar envolvidas no fenômeno apresentado.

3. Qual é o papel da ciência no fenômeno dos rios voadores?

4. Qual é o papel da floresta amazônica na formação das massas de ar equatorial continental?

5. O desmatamento constante da Amazônia pode provocar alterações climáticas no Sudeste brasileiro, tornando o clima regional muito parecido com o clima do sertão nordestino. De acordo com as informações da reportagem, essa afirmação é falsa ou verdadeira? Justifique.

6. Por que a escassez de água tem incomodado tanto a população paulista e a paulistana?

7. É possível a reversão para o fenômeno crescente da seca no Sudeste brasileiro? Comente.

Atividade 2

A segunda parte do plano de aula começa com a realização de uma mesa redonda, com os alunos divididos em grupos para debater o tema da seca. Cada grupo representará um segmento envolvido nessa questão: concessionária pública de água de uma grande metrópole; governo federal; governo estadual; indústrias; agricultura familiar; sindicato de trabalhadores da indústria; agronegócio; organizações não governamentais (ONGs) voltadas à causa da preservação ambiental; cientistas envolvidos com estudos sobre mudanças climáticas; madeireiros, transportadores e consumidores de madeira; entre outros. “Os grupos devem ser organizados espontaneamente, a partir dos temas sugeridos. A ideia é dar liberdade para que se engajem em recortes temáticos do seu interesse”, explica Isabel. Ela continua: “Deverá ser estipulado um tempo para que os grupos encontrem subsídios na internet, em jornais e revistas da biblioteca da escola, entrevistas com professores e especialistas de diversas áreas do conhecimento, entre outras fontes”. Depois da mesa redonda, o professor deve propor um debate com o seguinte questionamento: Crescimento econômico, desenvolvimento e preservação ambiental: essa convivência é possível?.

Para concluir o plano de aula, os alunos devem sintetizar o que aprenderam em diferentes linguagens, como charge ou cartum; paródia de uma música conhecida; versos em literatura de cordel; versos em literatura clássica; videodocumentário; texto dissertativo-narrativo; texto jornalístico; desenho livre; roteiro para entrevista de rádio (com perguntas e respostas a um dos representantes dos segmentos envolvidos); crônica etc. Os professores de Artes e de Língua Portuguesa podem ajudar nessa etapa.

 

Matéria publicada na edição de fevereiro de 2015.

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!