Projeto encabeçado por professor de Teresina complementa formação dos alunos e obtém bons resultados em olimpíadas educacionais

A rotina de um atleta é preenchida por diversos momentos de preparação e treino, pois um esportista sem preparo dificilmente obterá os resultados almejados. Não é diferente com os estudantes, que também precisam estudar com afinco para alcançar seus objetivos: passar em provas bimestrais, ser aprovado no fim do ano, no vestibular ou no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Em Teresina (PI), essas metas se fundiram no surgimento da Cidade Olímpica Educacional, projeto voltado para estudantes da rede municipal, encabeçado pelo professor Jesus Vênus Silva Costa, que leciona Ciências para alunos dos anos finais do ensino fundamental no Centro de Formação Professor Odilon Nunes.

Professor desde 2001, Vênus conta que vem de uma família de educadores, o que o incentivou a seguir no magistério. “Há muito tempo estou em contato com a rotina de professor. Eu acompanhava minhas tias nas escolas em que trabalhavam e esse contato com a profissão de professor foi despertando meu amor pelo magistério”, relembra. “A partir daí, dediquei-me a esse objetivo: passar no vestibular em um curso de licenciatura e me tornar professor. Deu certo e sou feliz demais com o que faço. Não penso em atuar em outra área que não seja a educação”, complementa o criador do projeto.

Para colocá-lo em prática, o professor peregrinou por 32 escolas urbanas e rurais da rede municipal de Teresina, analisando os resultados dos alunos. “O programa Cidade Olímpica surgiu da necessidade de valorizar os alunos com altas habilidades da rede municipal de Teresina, potencializando esses alunos especiais que já são destaques em suas escolas e preparando-os para competições estudantis nas áreas de língua portuguesa, física, química, astronomia e matemática”, explica Vênus. O projeto atende a 150 jovens dos 7º, 8º e 9º anos, sendo 30 estudantes para cada disciplina. Para o professor, o diferencial do programa está na abordagem dos conteúdos didáticos. “O projeto trabalha com uma metodologia que busca aliar teoria e prática, motivando os alunos com aulas diferentes, utilizando-se de elementos multimídia, oficinas, práticas de laboratórios de Química e Física, observações com telescópios para os alunos da Astronomia etc.”, esclarece o professor. Os estudantes aprovam a Cidade Olímpica. “É uma ponte para o conhecimento e uma ótima forma de selecionar os alunos que se destacam e dar apoio ao desempenho deles, além de ser realmente uma diversão”, afirma a aluna Verônica Hollmann. Ela enaltece o trabalho do idealizador do projeto: “O professor Vênus é ótimo, pois se empenha ao máximo para dar uma aula participativa e interessante”.

Conquistas

Os resultados obtidos pela iniciativa já demonstram o sucesso do projeto. Segundo o professor, os alunos da Cidade Olímpica Educacional já ganharam duas medalhas de ouro, uma de prata e quatro de bronze na Olimpíada Brasileira de Física das Escolas Públicas (OBFEP); três bronzes na Olimpíada Brasileira de Química Júnior (OBQjr), um ouro e cinco bronzes na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP) e cinco ouros, 12 pratas e 15 bronzes na Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA), além de já terem publicado um livro de poesias e uma coletânea de textos. Além disso, Vênus recebeu o Prêmio Professores do Brasil 2014. Ele conta que, para ele e a equipe do programa, foi uma felicidade imensa e muito comemorada, pois premiou esse trabalho desenvolvido pela equipe com muito amor e dedicação. “[O prêmio] trouxe muito mais ânimo para prosseguirmos tentando conduzir nossos alunos ao caminho do sucesso”, diz Vênus. A aluna Verônica também reconhece os benefícios que o projeto trouxe para ela e seus colegas. “Maiores chances de ganhar medalhas, prêmios e, principalmente, conhecimento, o que acaba ajudando nas disciplinas do ensino fundamental, além do reconhecimento dos colegas de classe, diretores e professores”, revela a estudante. 

Todos esses resultados obtidos pelos alunos não seriam conquistados, segundo Vênus, se não fosse a qualidade da equipe docente. “Todos os professores do programa são muito comprometidos com o objetivo da iniciativa, que já faz parte da identidade profissional de cada um. A intenção de todos é o sucesso dos alunos nas olimpíadas escolares”, diz o coordenador do projeto, que destaca também o apoio e a participação dos pais. “Os pais levam os alunos e os esperam até que a aula termine. Nesse intervalo, eles assistem a palestras e participam de oficinas”, comenta.

O projeto também está em constante expansão. Em 2015, a principal novidade foi a adição de uma nova disciplina: Robótica, mediante parceria firmada entre a Secretaria Municipal de Teresina e o Instituto Federal do Piauí (IFPI). Também houve o lançamento de mais um livro e a realização de visitas de campo a uma usina eólica, a estações de tratamento de água e esgoto e a um observatório. Vênus e os outros educadores da Cidade Olímpica também preparam novidades. “Pessoalmente, estou me dedicando, junto com os colegas do próprio programa, à seleção de mestrado que ocorrerá em outubro. Para isso, após as aulas da Cidade Olímpica, permanecemos no Centro de Formação, em um grupo de estudo para o mestrado”, revela o educador.

Matéria publicada na edição de agosto de 2015.

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!