Plataforma criada em 2010 pela Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro traz planos de aula e conteúdos multimídia para auxiliar professores

Desde 2010, a rede municipal de Educação do Rio de Janeiro conta com uma plataforma de auxílio para professores e alunos. Trata-se da Educopédia, projeto criado para servir de apoio multimídia durante as aulas e reforço escolar nos momentos fora do ambiente educacional. “Na parte pedagógica, a ideia era romper com a barreira espaço-tempo e ofertar conteúdos digitais para alunos e professores”, explica Francisco Velásquez, coordenador do projeto. Apesar de ser dedicada e embasada no currículo carioca, a plataforma é aberta ao uso e à consulta de educadores (basta clicar em “Entrar como visitante” toda vez que acessar o www.educopedia.com.br).

A plataforma tem funcionalidade dupla, ou seja, pode ser utilizada tanto dentro quanto fora de sala de aula. “A Educopédia é complementar às aulas presenciais e uma alternativa para o reforço escolar. Os alunos que faltaram às aulas ou que não compreenderam o conteúdo ensinado podem acessar a plataforma. Ela pode, ainda, ser usada no formato flipped classroom [metodologia na qual o aluno lê sobre o assunto em casa e realiza exercícios em sala de aula]”, diz o coordenador. “O uso é livre e criativo para autoria docente em sala de aula. Outro diferencial é que os produtores dos conteúdos são professores regentes de sala de aula”, complementa Velásquez.

Um dos principais diferenciais do projeto é que ele serviu também para equipar as salas de aula da rede carioca. “Além de difundir conteúdos digitais, a plataformaveio acompanhada pela instalação do Kit Educopédia, composto de netbook, caixa amplificadora e projetor. Esse kit, hoje, está presente em 5.600 salas da rede municipal [de ensino] do Rio de Janeiro”, conta o coordenador. Outras características especiais da Educopédia destacadas pelo educador são a capacidade de personalizar os planos de aula e a praticidade da plataforma: “A Educopédia é livre e intuitiva. A possibilidade de abertura de seu conteúdo para fins educacionais permite que o usuário possa remixar e personalizar as aulas digitais conforme sua necessidade. Por fim, com apenas três cliques do mouse, o usuário chega às aulas”, ressalta Velásquez.

A plataforma oferece material de suporte aos professores, como planos de aula, jogos pedagógicos e vídeos, “com o objetivo de tornar o ensino mais atraente e mobilizador para crianças e adolescentes, além de instrumentalizar o professor”, explica o coordenador. Os conteúdos já foram visualizados 32 milhões de vezes por mais de 815 mil usuários, ao longo dos cinco anos de existência da plataforma. Velásquez destaca também o papel que as redes sociais têm desempenhado na questão do feedback do público. “As redes sociais são dinâmicas e temos devolutivas interessantes sobre nossas aulas. Temos percebido que as sugestões de melhorias estão ligadas a uma maior personalização da aprendizagem”, explica. Atualmente, a Educopédia tem perfis no Facebook, Twitter e Instagram.

A customização da aprendizagem, destacada pelos usuários, está entre as ações previstas para a plataforma. “O caminho da personalização nos parece o mais promissor. As pessoas não aprendem da mesma maneira. Portanto, o ensino adaptativo com uso de algoritmos deve ser o próximo passo”, diz Velásquez. O coordenador do projeto também promete novidades relacionadas ao formato mobile: “Ainda para 2015, disponibilizaremos jogos e vídeos em uma linguagem específica para celulares”.

Eu testei

“Desde 2010, tenho participado intensamente do projeto Educopédia, da rede municipal do Rio de Janeiro, como produtora e coordenadora de Inglês, por ter a certeza de que o conteúdo digital permite que o aluno participe mais ativamente do processo de construção de seu próprio saber. Certamente, os livros em papel nunca serão abandonados, e continuo usando-os normalmente em minha prática diária. No entanto, a apresentação inicial do conteúdo por meio dos recursos visuais e auditivos da Educopédia facilita a compreensão mais imediata da matéria a ser transmitida. Além disso, por ser um ambiente de aprendizagem mais dinâmico, o aluno tem mais autonomia para interagir com os colegas da turma, tendo as atividades e os jogos dessa rica ferramenta digital como aliados para a execução de um trabalho mais colaborativo, inter e multidisciplinar. Os jogos e as atividades presentes na Educopédia tornam as aulas mais atraentes ao incitar a curiosidade do aluno. Com sua curiosidade estimulada, os alunos não percebem que estão ‘estudando’. A ideia fundamental é deixar a turma brincar e se divertir ao mesmo tempo em que aprende. Com a utilização inicial da Educopédia na aula, os alunos ficam mais preparados para o conteúdo novo que é apresentado, mesclando-se tecnologia digital, livro didático e outros meios lúdicos e midiáticos, como vídeos, pôsteres, flashcards e músicas. Vários vídeos e músicas estão presentes nas atividades de cada unidade da plataforma e são ‘divertidos’ e ‘muito legais’, segundo as palavras dos próprios alunos”.

Dayse Alves Barbosa é professora de Inglês da SME-RJ e do curso de Inglês Red Balloon. Atualmente, coordena a equipe de Inglês dos Projetos Educopédia

Reportagem publicada na edição de agosto de 2015.

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!