Um relacionamento positivo e envolvente entre educadores e alunos é fundamental para o aprendizado

 

“Eles não me pagam para gostar das crianças. Eles me pagam para ensinar a lição. As crianças devem aprender. Eu devo ensinar. Caso encerrado”. Rita Pierson, educadora norte-americana que faleceu em 2013 e lecionou durante 40 anos, não conseguiu ficar quieta ao ouvir essa declaração de uma colega. Em sua palestra no TED (assista em www.bit.ly/rita-pierson), Rita conta que respondeu: “Crianças não aprendem com pessoas das quais elas não gostam”, deixando claro que, com essa postura, a professora em questão não estava fazendo o que foi paga para fazer: a missão dela era ensinar, mas, como não se preocupava em se relacionar com os alunos, dificilmente atingiria os resultados esperados. Assim como a colega citada por Rita, muitos professores entram em sala de aula operando no “modo automático”, repassando o conteúdo programático sem interagir com os alunos e sem se preocupar em cultivar um relacionamento com eles.

 

Leia mais...

 

Especialistas avaliam percalços e obstáculos da criação do currículo base para a educação brasileira e promovem uma reflexão sobre o tema

Leia mais...

 

Processo ganha ênfase na área educacional, mas docentes ainda se sentem despreparados para a missão. Especialistas alertam que o professor deve ser agente da educação inclusiva

Leia mais...

 

Mais que uma tendência global, ensinar crianças a programar computadores é uma necessidade para acompanhar a evolução das novas gerações. Como escolas e professores podem se adaptar a essa nova era?

Leia mais...

 

Especialistas explicam os papéis da família e da escola no desenvolvimento cognitivo e emocional dos estudantes e revelam os caminhos para que essas duas importantes instituições estejam cada vez mais próximas 

Leia mais...

Por mais que a alfabetização seja a etapa mais importante da escolarização, afinal dela depende qualquer aprendizado, ainda hoje não existe uma definição clara no País de como esse processo deve ser desenvolvido. Também não há consenso acerca da idade certa para o início e o término desse trabalho. Nas escolas particulares, geralmente as crianças são alfabetizadas a partir dos 6 anos de idade. Nas últimas três décadas, o Brasil passou por mudanças na educação que modificaram a maneira de ensinar a ler e escrever, sobretudo por influência da teoria da psicogênese da língua escrita, comumente chamada de construtivismo pelos educadores. As cartilhas perderam espaço em sala de aula, porém a nova visão pedagógica não ajudou o sistema educacional do País a avançar.

Leia mais...

Eh, companheiro, hum!
Eh, levanta pedra, hum!
Eh, lá vem ela, hum!
Eh, (es)tá pesada, hum!
Eh, bota força, hum!
Eh, lá vem ela acolá, hum!
Eh, companheiro, hum!
Eh, puxa pedra, hum! 

Canto de trabalho de Pernambuco, citado por Mário de Andrade na obra Ensaio sobre a música brasileira 

Leia mais...

O professor brasileiro está entre os que mais perdem tempo no mundo com indisciplina em sala de aula. Esse fato foi constatado pela Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (Talis, em inglês), estudo realizado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) com mais de 100 mil professores de 34 países e divulgado em junho de 2014. Segundo os dados compilados pela instituição, 20% do tempo de aula é perdido, pelos professores brasileiros, para manter o controle dos alunos. O índice é superior à média internacional obtida pela pesquisa, que é de 13%. Logo, é necessário entender os motivos da indisciplina e saber como lidar com os alunos mais indisciplinados, de modo que o tempo de aula seja mais bem aproveitado.

Leia mais...

É na educação infantil que as crianças recebem a base que sustentará toda sua vida escolar (e pessoal também). Tendo em vista que tanto os métodos de ensino quanto as exigências da sociedade têm evoluído e demandado mais dos indivíduos, o trabalho dos educadores nessa etapa inicial da educação das crianças se torna ainda mais crucial e necessita de fundamentos para ser mais eficaz. É aí que entram as teorias do desenvolvimento psicológico infantil, que ajudam pedagogos e professores a compreenderem os pequenos educandos, de maneira que estes evoluam de acordo com suas capacidades. “Toda atividade docente é mais eficaz se os professores embasarem suas propostas educativas nas teorias de desenvolvimento infantil. Entender como a criança se desenvolve, como aprende, como lida com suas frustrações e conquistas e, diante disso, quais são as etapas de seu desenvolvimento, ajuda o professor a mapear o desenvolvimento infantil e, assim, fazer uso de propostas educativas condizentes”, afirma Luciana Rocha de Luca Dalla Valle, pedagoga especialista em Psicopedagogia e Educação Infantil e coordenadora do curso de Pedagogia da Faculdade Educacional da Lapa (Fael), no Paraná.

Leia mais...

Ensinar o que é ser cidadão se constitui, atualmente, em uma das principais atividades de todos os sistemas e de todas as redes de ensino no Brasil. Mas como fazer para realizar essa tarefa de modo que as crianças se tornem cidadãs? Afinal, o que é cidadania? A Constituição brasileira de 1988 aponta a cidadania como um dos fundamentos da República, ao lado da soberania nacional, da dignidade humana, dos valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político. A própria Lei Magna não define, contudo, o que é essa cidadania que fundamenta a nação, limitando-se a listar os direitos e deveres de cada cidadão, a maioria deles em seu artigo 5°. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN – Lei n. 9.394) estabeleceu, em 1996, no artigo 22, que “a educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe a formação comum indispensável para o exercício da cidadania e fornecer-lhe meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores”. O ensino da cidadania se tornou, portanto, condição necessária para que os sistemas educacionais sirvam de instrumento para atingir objetivos nacionais no que se refere ao exercício da cidadania estabelecido na Constituição Federal.

Leia mais...
+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!