O estreitamento dos vínculos entre família e escola exige não só boa vontade dos professores, mas também um projeto institucional que reconheça nessa parceria o caminho para um trabalho colaborativo em prol do desenvolvimento de crianças e jovens. A escola e os professores ganham a confiança dos pais à medida que os auxiliam em sua tarefa de acompanhar o desenvolvimento escolar dos filhos. Essa confiança é conquistada quando a escola dá um passo no sentido de conhecer as famílias de seus alunos, a realidade que estes vivenciam, dando voz aos pais, na perspectiva do compartilhamento de responsabilidades. Os pais devem ser chamados a interagir com os professores, não só para serem informados sobre o desempenho dos filhos, mas para discutir objetivos educacionais, compartilhar propostas e práticas pedagógicas, participar da socialização dos processos de ensino e aprendizagem realizados em sala de aula e integrar projetos didáticos organizados pela instituição. Oferecer, assim, diferentes oportunidades para que os pais possam estar na escola, levando em consideração a realidade das famílias, visto que nem todos podem estar presentes nos mesmos dias e horários, e promover a participação da família nos processos decisórios, na elaboração do projeto pedagógico, na constituição de associações de pais e mestres, conselhos escolares e equivalentes.

Luciene Cerdas é professora do Departamento de Didática da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), doutora em Educação Escolar 

Publicado na edição de outubro de 2015

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!