Confira a seguir dois relatos de experiência de professoras que trabalharam os temas folclore e cultura popular em suas aulas.

O encanto das danças folclóricas

“Com o objetivo de oferecer condições para que meus alunos explorem suas capacidades intelectuais, corporais e emocionais, desenvolvo um modesto projeto de danças folclóricas brasileiras. Acredito que, dessa maneira, posso ajudá-los a ampliar seus olhares sobre o mundo e o próximo, assim como contribuir para sua formação integral desenvolvendo suas habilidades, a fim de que sejam seres humanos mais sensíveis, críticos, criativos e autônomos, além de resgatar a importância da cultura popular de tradição na construção da identidade de um povo. Meu conhecimento vem basicamente do que leio e vivencio no grupo Beija-Fulô. Meu projeto é desenvolvido no horário do contraturno dos alunos. Este ano atendo crianças entre 8 e 12 anos, mas já desenvolvi [meu projeto] com meninas adolescentes que acabavam me auxiliando como monitoras, pois já haviam frequentado o projeto quando menores.

Geralmente, começo a aula com alguma brincadeira para que todos se cumprimentem; em seguida, realizo o aquecimento corporal. Para esse aquecimento utilizo brincadeiras cantadas que possam explorar movimentos de alongamento. Em seguida, localizamos no mapa do Brasil o estado do qual vem a dança que iremos executar. Ouvimos a música, sempre acompanhada da leitura da letra, e depois passamos para a realização dos movimentos da dança. Já trabalhamos cirandas, cacuriás, coco, congadas, entre outras. Somos convidados para apresentação nos eventos da escola, mas essa não é a finalidade do projeto. Dançamos e cantamos pelo prazer da brincadeira e do conhecimento”.

Professora Maria Aparecida Bernardo Pivotto – Escola Municipal de Ensino Fundamental Brigadeiro Correia de Mello (São Paulo – SP)

 

Carnaval envolvente na escola

O trabalho começou com alguns instrumentos doados por uma professora Miriam Zavata, do ensino fundamental I. Com isso, surgiu o impulso de colocar vida sonora neles e começamos a apresentar algumas marchinhas de carnaval tradicionais, entre elas a Marcha do pintinho, música de Alventino Cavalcanti que integra o álbum Revoada, do Grupo Beija-Fulô. Os alunos dos 8º e do 9º anos se interessaram em praticar mais a fundo o ritmo das marchinhas de carnaval, tendo como instrumentos um repique, uma caixa clara, um pandeiro, um tamborim e três ganzás, além de uma caixa do Divino. Assim, iniciamos uma prática instrumental na área externa da escola, durante minhas horas-atividade. Em outro momento, passei um vídeo a respeito do carnaval e um grupo de alunos do 7º ano se empolgou com o estandarte. Com isso, surgiu a proposta de criar um estandarte da escola. Solicitei ajuda a Zeneide  Alves, amiga de cantoria no grupo Beija-Fulô, para confeccioná-lo. Com a colaboração da professora Luzinete Lima, que também é costureira, foi confeccionado o estandarte da Emef Mururés, com o qual o grupo animou o baile de carnaval tanto do ensino fundamental II, no período da manhã, como do fundamental I, no período da tarde. O estandarte foi passado nas mãos de várias crianças, que foram os destaques durante todo o  baile. Promovemos ainda um desfile de fantasias dos alunos, com torcida”.

Professora Helena Dias – Escola Municipal de Ensino Fundamental Mururés (São Paulo – SP)

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!