As ferramentas tecnológicas, ao serem criadas, têm como objetivos principais possibilitar aos indivíduos modos de vivenciar e fazer algo novo de maneira melhor, mais rápida e mais agradável. As tecnologias já nos alcançaram de forma tão envolvente que se tornou difícil diferenciar o que é tecnologia ou não.

Um dos grandes desafios da “sociedade tecnológica” diante dos avanços da tecnologia é o progresso da área, que impulsiona ainda mais o processo de mudança comportamental no Brasil e no mundo. Isso faz com que surja uma grande necessidade de se adaptar ao seu uso e acompanhar seu avanço para se estabelecer no mercado de trabalho ou na vida.

Nem sempre mudar o que já está enraizado é fácil, porém, na educação, estar aberto a novas formas de trabalhar o processo ensino-aprendizagem é importantíssimo. Fica latente que essa é mais uma barreira a ser transposta pela sociedade em relação à tecnologia.

Muitos são os docentes que consideram o computador como imigrante ou como um intruso sobre o qual não se compreende bem o proveito. Precisamos conscientizar todo o corpo docente de que a tecnologia já está envolvida em nosso dia a dia e de que nas salas de aula não será diferente. O educador de hoje precisa estar em harmonia com o novo e atualizar-se para não ser engolido pelo tsunami de informações que há na atualidade.

A ênfase na utilização dos computadores é grande. Contudo, pouquíssimos são os professores com o conhecimento necessário, habilitados o suficiente para manusear corretamente tamanha interdisciplinaridade. O computador nas mãos de um professor despreparado, em muitos casos, não passa de entretenimento. Considerando a educação como área de extrema importância, assim como a saúde, não é viável que ela, sendo de segunda qualidade, seja-nos oferecida como excelente por um marketing bem-feito. Algumas coisas só têm serventia se forem de qualidade, e esse é o caso da educação.

O professor deve transformar-se em um novo profissional capaz de, com o auxílio do computador, apresentar um ensino que aguce no aluno habilidades como reflexão e discussão, com metodologia de constante diálogo e conscientização, possibilitando ao aluno pensar, arguir e, a partir daí, formular seu próprio conhecimento.

O papel que o professor deve exercer no processo de aprendizado por meio das tecnologias de informação e comunicação (TICs) é o de mediador, auxiliando o aluno, que, por sua vez, também contribuirá com seu conhecimento. A sala de aula transforma-se em um ambiente desafiador, cheio de criatividade e informações, onde o aluno e o professor, com o auxílio do computador, formulam o conhecimento. O aluno começa a adquirir confiança e autonomia nos estudos. O aluno deixa de ser simplesmente o receptor de informações e assume o papel de pesquisador, buscando informações e conhecimentos por meio do computador.

Deve-se frisar qual a importância do professor diante do computador como ferramenta de ensino, pois ele será a ponte entre a tecnologia e a pedagogia da qual o ensino-aprendizagem necessita. A harmonização entre essas duas vertentes só será possível com o comprometimento e a postura consciente do professor. O computador em sala de aula não deve ser subutilizado, trabalhado somente como meio de ilustrar e animar aulas, mas sim ser visto como ferramenta auxiliar riquíssima em informações, que possibilita ao aluno expor suas ideias e, ao professor, lapidá-las. O ensino precisa de profissionais mais que envolvidos, ou seja, precisa de profissionais comprometidos com a educação, conscientes de seu papel em uma escola digitalizada e, ainda, em uma sociedade tecnológica.

 

Artigo publicado na edição de março de 2014.

+ Educação
Assine a newsletter mensal e gratuita +Educação e receba ainda mais conteúdo no seu e-mail!